Por Ana Guerra | 01/10/2019
Tags:

EMIR ROSSONI LANÇA LIVRO DE CONTOS EM 11 DE OUTUBRO

O livro Domanda Nísio, de Emir Rossoni, recebeu em 2018 o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura e será lançado no dia 11 de outubro no MEME Santo de Casa, em Porto Alegre, a partir das 19h.

A obra é composta por dez contos que, conforme escreve Paulo Ricardo Kralik Angelini no prefácio, se cristalizam num cotidiano que não é o da grande cidade, mas de um Brasil mais recôndito, construído pelos imigrantes. Em comum, as histórias desenvolvem-se em volta de uma cidadezinha na serra, chamada carinhosamente de Bassano pelos locais. É o eixo pelo qual orbitam as histórias, mas muitas passam em seus arredores, numa atmosfera rural, em pequenos lugarejos habitados por gente que se conhece, mas se desconhece. E o sabor dos contos de Emir vem também a partir desses silêncios, contraditoriamente preenchidos por vozes que constroem uma espécie de potencializador das personagens, um coro que vai auxiliando no refinamento desses seres, porque quase sempre os narradores mais escondem do que revelam. Porque escondem segredos, como em “Eles não encontravam a Juliana” ou “A visita de Fioravante à sua irmã, Maria Antonia”; ou porque afastados da comunidade há algum tempo, como em “Domanda Nísio”; ou porque são crianças, como “No dia em que decidiram abrir a capelinha”. Assim, Emir obtém um efeito bastante interessante que é, justamente, ao desenhar as personagens repletas de lacunas, construir uma camada não aparente, a ponta do iceberg de Hemingway ou aquela outra história escondida, de Cortázar. E esta camada vai sendo preenchida também por pequenos sussurros, compostos pela sinfonia de falares que atravessam as histórias: “Che bello”, “Le piaceva vivere”, “Senza sole”, “Il frocio?”, “Non c’é marido”, “Massa tempo”, “El tatin ga febre”.

Contos que, ressalta Kralic, pelo talento do autor em misturar registros, em tecer um emaranhado de falares que misturam o culto e o coloquial, confere um corpo sólido, não da idílica Serra Gaúcha, mas das raízes encravadas, muitas vezes expostas, que carregam os mais profundos conflitos humanos.

Para o escritor Gustavo Czekster, Emir Rossoni é um escritor que domina a arte de escrever um conto perfeito, um autor cujas narrativas curtas se encaixam como uma luva nas teorias de Poe, Cortázar, Piglia, Quiroga e outros que tentaram entender a ingrata arte que faz uma história saber o ponto exato de equilíbrio entre a previsibilidade e a surpresa, entre a epifania e o esquecimento.

Como define o próprio autor no posfácio do livro, Domanda Nísio é um grito. Um grito coletivo. Voltando ao prefácio de Kralic, também é um encontro precioso, a ser absorvido de supetão ou aos pequenos goles, com doses de angústia e desencanto, nesses espaços tão cheios de verde e de vida, mas onde a vida também pode escapar.

Título: Domanda Nísio

Autor: Emir Rossoni

Editora: Telucazu Edições

Gênero: Conto

Edição: 2019

Formato: Brochura 14X21

Páginas: 120

ISBN: 978-85-69708-35-3

Preço de capa: R$ 39,00

Sobre o autor

Emir Rossoni nasceu em Nova Bassano (RS) em 1975. Mestre em Escrita Criativa, é autor de “Caixa de Guardar Vontades”, vencedor do Prêmio Açorianos de Literatura 2018 e finalista do Prêmio AGES. Também foi finalista dos prêmios SESC de Literatura em 2016 e Açorianos de Criação Literária em 2013, ambos com livros de contos. O livro “Domanda Nísio” foi vencedor do Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura em 2018.

LANÇAMENTO DE DOMANDA NÍSIO, com sessão de autógrafos de Emir Rossoni.

Data e horário: 11 de outubro de 2019 (sexta-feira), a partir das 19h

Local: Meme Santo de Casa – R. Lopo Gonçalves, 176 Cidade Baixa – Porto Alegre