Por Ana Guerra | 20/08/2020
Tags:

ORQUESTRA JOVEM DO RIO GRANDE DO SUL REALIZA CONCERTO EM PLATAFORMAS ON-LINE

Crianças e adolescentes da Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul estavam a todo vapor nos ensaios para o concerto de encerramento da etapa final do projeto Evolução Sinfônica, criado para proporcionar oportunidades de formação musical no naipe de sopros e inserção social para jovens da região. Com a chegada da pandemia e as medidas de distanciamento social, os planos mudaram. Essa adversidade, no entanto, não impediu que esses jovens deixassem de seguir seu sonho e finalizassem mais um ciclo em suas vidas. Com os instrumentos em casa, a alternativa foi realizar um vídeo à distância, cada um em sua residência.

A produção audiovisual, que será lançada por meio de uma live nesta segunda-feira (24), às 20h, no Facebook da Orquestra, conta a história da música por meio da evolução sinfônica, destacando os instrumentos de sopro introduzidos na história, bem como seus principais compositores e características. Cada período é representado por uma música, ensaiada pelos jovens da orquestra. O objetivo é reproduzir o concerto que aconteceria presencialmente. O material, dirigido pelo diretor cinematográfico Rene Goya Filho, ficará disponível no Facebook (https://www.facebook.com/orquestrajovemrs) e no canal do YouTube da Orquestra (https://www.youtube.com/channel/UCUD61RIxy-wo49wdUQ5SJuA), podendo ser utilizado como ferramenta para o ensino da música.

Com o patrocínio da Braskem, participam do projeto 22 crianças e jovens dos 10 aos 24 anos, de baixa renda, estudantes da rede escolar pública de Porto Alegre e da Grande Porto Alegre. Por meio desse patrocínio, o projeto conseguiu realizar a compra dos instrumentos de sopro, as oficinas de aprendizagem e as master class, lives em que os professores explicam e demonstram os instrumentos.

“O envolvimento com as comunidades onde a Braskem está inserida é fundamental para nós e, por isso, buscamos sempre apoiar projetos que estejam alinhados com o nosso propósito de valorizar o desenvolvimento cultural e promover a inclusão social. Ficamos muito felizes em ver a Orquestra seguir com as aulas nesse momento delicado e desafiador para a nossa sociedade”, afirma Daniel Fleischer, gerente de Relações Institucionais da Braskem no RS.

Telmo Jaconi, maestro da Orquestra, vê no modelo de trabalho digital novas oportunidades de aprendizado. “Atrair os alunos é um desafio. Por isso, nós, professores, procuramos conversar e trocar ideias para criarmos estudos e metodologias para que eles possam continuar a desenvolver a sua capacidade em seus respectivos instrumentos”. Além de Jaconi, fazem parte do projeto, outros seis professores que atendem os alunos individualmente ou em grupo.

Para que aconteçam, as aulas variam de acordo com as condições de cada aluno. São eles que, pontualmente, passam a melhor forma de se conectar, seja por WhatsApp, Zoom, Google Meet ou até mesmo por chamada telefônica. Os que não tem acesso à internet, também seguem ensaiando. Por meio de aplicativos de mensagens, o professor encaminha as atividades e eles retornam com a gravação de um áudio. “Sempre damos um jeito de estarmos conectados com os alunos”, afirma Jaconi.

A aluna Maria Clara Santos Silva, de 14 anos, afirma que a Orquestra a possibilitou ter a certeza do que ela quer para o futuro. Ela conta que após conhecer o Oboé, instrumento de sopro com o qual teve contato no projeto Evolução Sinfônica, a conexão com a música se tornou ainda maior. Leonardo de Brito Santos, de 20 anos, faz parte da Orquestra há mais de três anos e relata um sentimento semelhante ao de Maria. Ele define a experiência como um divisor de águas. Foi graças ao projeto que conheceu o clarinete e, segundo ele, foi amor à primeira vista. “Sou muito grato tanto a Orquestra quanto a Braskem por terem investido e acreditado neste projeto que vem dando muito certo. Hoje eu sou muito feliz por ter conhecido os instrumentos de sopro. Além disso, também vejo uma grande evolução profissional em mim, nos meus colegas e no projeto como um todo”.

Em apoio às famílias, a Orquestra também está trabalhando na captação e distribuição de cestas básicas. Por enquanto, já foram realizadas três entregas com kits de alimentos para as famílias dos 110 jovens que atuam no projeto.

Sobre a Braskem

Com uma visão de futuro global, orientada para as pessoas e para a sustentabilidade, a Braskem está engajada em contribuir com a cadeia de valor para o fortalecimento da Economia Circular. Os 8 mil Integrantes da petroquímica dedicam-se diariamente para melhorar a vida das pessoas por meio de soluções sustentáveis da química e do plástico. A Braskem possui DNA inovador e um completo portfólio de resinas plásticas e produtos químicos para diversos segmentos, como embalagens alimentícias, construção civil, industrial, automotivo, agronegócio, saúde e higiene, entre outros. Com 40 unidades industriais no Brasil, EUA, México e Alemanha e receita líquida de R$ 52,3 bilhões (US$ 13,2 bilhões), a companhia exporta seus produtos para Clientes em mais de 100 países.

Sobre a Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul

Presente em Porto Alegre há dez anos, a OJRS trabalha com a linguagem universal da música como forma de expressão e inclusão. Desde 2017, atua com projeto Evolução Sinfônica. Financiado pela LIC RS (Lei de Incentivo à Cultura do Rio Grande do Sul), o programa permite que à Orquestra evolua para a formação de orquestra sinfônica e busque um novo patamar de qualificação no cenário brasileiro de orquestras-escolas. No momento, as apresentações da Orquestra seguem nas plataformas on-line. Para acompanhar, basta entrar no Facebook https://www.facebook.com/orquestrajovemrs , Instagram @orquestrajovemrs ou no site http://orquestrajovemrs.com.br .

foto: Isaias Matos